Samuel Huntington e o Brasil

Marcos Guterman

27 de dezembro de 2008 | 18h14


Huntington: proposta de mexicanização do Brasil

Samuel Huntington, um dos mais polêmicos pensadores do século passado, morreu em 24 de dezembro, informou o site de Harvard, onde ele lecionou. Sua obra mais conhecida é “Choque de Civilizações”, muito mais citada do que lida, na qual ele tenta mostrar que o mundo do pós-Guerra Fria deixaria de lado as tensões ideológicas e assumiria o perfil de conflitos entre culturas – mormente entre o Ocidente e o Oriente, aí incluídos os muçulmanos e os chineses.

Huntington, no entanto, tinha interesse no Brasil, e um de seus trabalhos mais importantes a respeito foi “Approaches to Political Decompression”, escrito durante o governo Médici. No texto, Huntington explica que “o relaxamento dos controles num sistema político autoritário pode ter um efeito explosivo no qual o processo escapa ao controle de quem o iniciou”, razão pela qual ele sugere ao Brasil adotar um regime de partido forte, como no México do PRI.

Huntington considerava que a experiência da transição brasileira – da qual ele mesmo, modestamente, se dizia participante, por causa de seus conselhos – era “o mais impressionante exemplo de democratização introduzida de cima, por uma elite militar que reconhecia a necessidade de abertura”. Segundo Elio Gaspari, no livro “A Ditadura Derrotada”, o general Golbery do Couto e Silva, que conheceu Huntington, leu o trabalho do professor de Harvard sobre a “descompressão” e o considerou “pedestre”.

Tendências: