Saddam gay, uma ideia brilhante da CIA

Marcos Guterman

26 Maio 2010 | 00h26

Saddam e seu amante, o Diabo

Saddam e seu amante, no South Park

 

 

O grupo de agentes da CIA que atuaram no planejamento da invasão do Iraque, em 2003, teve várias ideias para uma campanha psicológica cujo objetivo era desacreditar o ditador Saddam Hussein aos olhos dos iraquianos – a meta era ganhar os “corações e mentes” dos nativos para a causa de sua “libertação”. Uma das possibilidades aventadas pelos espiões foi produzir um vídeo fake no qual Saddam apareceria fazendo sexo com um adolescente. A intenção era “inundar o Iraque com esses vídeos” do “Saddam gay”, conta o blog de Jeff Stein no Washington Post.

Um vídeo chegou a ser feito: mostrava um Osama bin Laden bêbado divertindo-se com garotões em volta de uma fogueira. Segundo os agentes ouvidos pelo blog, os atores escolhidos tinham “a pele escura”.

O projeto não foi adiante porque enfrentou oposição da chefia da CIA. Segundo um ex-agente, as ideias eram de arapongas que haviam feito carreira na América Latina e no leste da Ásia e que não conheciam nada da realidade do Oriente Médio.

“Mostrar Saddam brincando com meninos não teria nenhum efeito no Oriente Médio. Simplesmente ninguém lá dá a mínima para isso”, disse outro ex-agente. “Pensar numa campanha como essa mostra total desconhecimento do alvo. Nós (americanos) sempre achamos que os nossos tabus são tabus universais, quando, na verdade, eles são apenas os nossos tabus.”

Mais conteúdo sobre:

CIAIraqueSaddam Hussein