Sabe quem sabotou o acordo do clima?

Marcos Guterman

05 Maio 2010 | 22h51

Os EUA passaram à história como o perverso país que boicotou o Protocolo de Kyoto, como a comprovar a indiferença do “império” sobre os destinos do mundo sobre o qual exercia sua hegemonia. Agora, a revista Der Spiegel revela que, na Conferência do Clima de Copenhague, o fracasso deve ser debitado na conta do país queridinho dos antiamericanos: a China.

Juntos com a Índia – e apoiados por Brasil e África do Sul –, os chineses impediram que se articulasse um consenso para a redução acentuada da emissão de carbono, como mostram os registros gravados de uma tensa reunião de cúpula na Dinamarca, em 18 de dezembro de 2009.

No encontro, fechado à imprensa, estavam presentes os principais chefes de Estado do planeta, como Barack Obama, Angela Merkel, Gordon Brown e Nicolas Sarkozy. Lá pelas tantas, o francês, ao perceber o naufrágio da proposta, exaltou-se: “A China, que logo será a maior economia do planeta, diz ao mundo: ‘Compromissos se aplicam a vocês, e não a nós’. Isso é absolutamente inaceitável. Isso é sobre coisas essenciais, e alguém tem de reagir a essa hipocrisia”.

O primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, não compareceu ao encontro, enviando em seu lugar um subalterno. Esse diplomata se sentou ao lado de Obama, num evidente escárnio, ainda que o presidente americano tenha tentado pôr panos quentes na situação – coisa que a Spiegel qualificou de “facada nas costas dos europeus”.

A ideia de Pequim, desde sempre, foi evitar um acordo que obrigasse a China a cortar suas emissões, o que certamente afetaria seu desenfreado crescimento econômico. E a história, como sempre, serve de desculpa esfarrapada, como se constatou pelo discurso do subalterno de Wen: “Nos últimos 200 anos de industrialização, os países desenvolvidos contribuíram com mais de 80% das emissões. Quem criou o problema é responsável pela catástrofe que estamos enfrentando”. Por essa lógica infantil, os chineses, que descobriram a pólvora, deveriam ser responsabilizados pelos milhões de mortos que ela provocou.

Como diz a Spiegel, tomar conhecimento dos detalhes desse episódio só serve para confirmar a sólida autoconfiança dos asiáticos e a crescente impotência do Ocidente.