Receita para derrubar o governo do Irã

Marcos Guterman

28 de dezembro de 2009 | 00h15

A duríssima repressão policial a manifestantes em Teerã faz crer que a grande ameaça ao governo do Irã é o movimento de oposição. Não é bem assim. Para Selig Harison, especialista em Ásia do Center for International Policy, a maior ameaça ao regime islâmico estabelecido em 1979 são as minorias separatistas não-persas.

Somadas, elas constituem 44% da população total do país. Para Harison, se elas se unissem aos opositores, seriam capazes de derrubar os aiatolás – o problema é fazer os opositores, que são persas, aceitarem essa associação.

Os EUA, com a ajuda de Israel, têm insuflado os separatistas há bastante tempo. Harison questiona se, hoje, é uma boa medida: “Apoiar o separatismo e buscar o diálogo com o atual regime são coisas completamente incompatíveis”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.