Rabino: 'O marido é obrigado a dar prazer à mulher'

Marcos Guterman

04 de abril de 2009 | 00h44

Com o objetivo de ajudar os judeus a servir melhor a Deus, o rabino israelense Elyashiv Knohl publicou um livro chamado “Guia de Relações Conjugais na Perspectiva da Torá”. “O judaísmo obriga o marido a dar à mulher prazer sexual”, disse Knohl ao Jerusalem Post. “Essa obrigação vem do mandamento bíblico que diz: ‘Amai o próximo como a si mesmo’.”

O conselho surpreende, porque normalmente as religiões tendem a tratar o prazer sexual como tabu. Há tantas interdições e regras para o intercurso que nem mesmo o casamento consumado está livre de limites. No judaísmo, por exemplo, não se pode gritar “ai meu Deus” em meio à relação sexual, porque não se pode falar em Deus quando se está nu.

Mas o rabino Knohl, pai de 11 filhos, explica que, a despeito disso, o marido deve se empenhar para que a mulher tenha orgasmo, de preferência antes dele.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.