Quem chora a morte de Kirchner?

Marcos Guterman

27 de outubro de 2010 | 17h52

Como dimensionar o significado da morte do ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner? Ele construiu uma imagem de herói da luta anticorrupção, mas seu patrimônio pessoal multiplicou-se por 12 desde 2003. Ele foi o artífice da recuperação econômica argentina, mas a dobradinha com Cristina fez o país caminhar para o desastroso populismo de perfil bolivariano.

Duas reações, porém, resumem tudo:

 1) O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, lamentou no Twitter: “¡Cuánto dolor! Que gran pérdida sufre la Argentina y Nuestra América. ¡¡Viva Kirchner para siempre!!”

2) Já o mercado financeiro festejou: as ações de empresas argentinas subiram dois dígitos em Wall Street logo depois do anúncio da morte, indicando otimismo dos investidores quanto a mudanças de rumo na economia do país. Afinal, como diz o Clarín, “os mercados têm sua própria lógica, que não conhece sentimentos nem ideologias”.

Tudo o que sabemos sobre:

chavismoNéstor Kirchner

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: