Que tal uma picanha de laboratório?

Marcos Guterman

07 de setembro de 2009 | 09h26

O New Harvest é um grupo que se dedica a pesquisar substitutos para a carne. A idéia é obter o alimento em laboratório, a partir de cultura celular, sem necessidade de fatiar animais. Em entrevista ao site Seedmagazine, o diretor da companhia, Jason Matheny, defendeu a idéia dizendo que a carne de laboratório é mais barata e evita a degradação ambiental – segundo ele, um quinto das emissões de carbono no planeta está relacionado ao consumo de carne tradicional. Para Matheny, uma vez que a maioria das pessoas continuará a comer carne, não é sensato fazer campanha para torná-las vegetarianas.

“Comer carne fazia todo o sentido no final do Pleistoceno. Agora as coisas são diferentes”, ironiza Matheny. “Temos o mesmo tipo de conflito com nossa programação evolucionária quando o assunto é açúcar e gordura. Essas coisas são saborosas para nós porque elas eram raras e valiosas quando estávamos evoluindo. Nosso desafio agora é desenvolver uma tecnologia que possa satisfazer essas ânsias sem conseqüências negativas.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.