Por que é preciso impedir que um país delinquente tenha a bomba?

Marcos Guterman

01 de março de 2011 | 17h31

Parece uma pergunta cretina, essa do título, mas, considerando que muita gente entende que o Irã tem “direito” a ter um arsenal nuclear, a questão é pertinente – e a resposta foi dada de forma definitiva pelos acontecimentos na Líbia.

Muamar Kadafi queria ter a bomba atômica. Só não tem porque houve uma ação conjunta dos EUA e do Reino Unido para pressioná-lo a desistir do projeto. Sem o acordo de 2003 que desmontou o programa líbio, Kadafi teria como trunfo o uso de armas nucleares para defender seu moribundo regime.

“Imagine o pesadelo que seria se falhássemos em acabar com o programa nuclear líbio e sua força de mísseis de longo alcance”, disse ao New York Times um dos envolvidos nas negociações de 2003, Robert Joseph. Para ele, Kadafi não hesitaria em usar a bomba atômica para se manter no poder.