Paul McCartney: "O politizado dos Beatles era eu"

Marcos Guterman

15 de dezembro de 2008 | 00h33


Paul, pensando: eu também sou bacana

Paul McCartney está tentando anabolizar sua biografia. Em entrevista registrada pelo Times, de Londres, o ex-beatle diz que era ele, e não John Lennon, o politizado da banda. Tudo começou, McCartney conta, com um encontro dele com Bertrand Russell, em meados dos anos 60, quando o intelectual pacifista o alertou sobre a ação americana no Vietnã. A partir desse momento, a banda, naturalmente liderada por ele, aderiu a movimentos de crítica à guerra.

Lennon não está vivo para contestar, mas o intelectual marxista Tariq Ali, que participou dos mesmos movimentos nos anos 60 em Londres, revelou surpresa com a versão de McCartney: “Isso é novo para mim. Eu nunca ouvi falar dessa visão de Paul naquele tempo. Era John Lennon que estava preocupado com a guerra. Ele nunca mencionou McCartney e nunca passou pela minha cabeça pedir que ele se juntasse a nós”.