Para Obama, o Iraque saberá cuidar de si

Marcos Guterman

28 de fevereiro de 2009 | 00h02

O anúncio da retirada americana do Iraque, embora já fosse esperado, soou como mais um importante sinal da ruptura entre Obama e o passado representado pela era Bush. Em meio a seu discurso aos soldados, uma frase significativa talvez resuma o espírito da nova administração: “Enquanto eu for seu comandante-em-chefe, prometo a vocês que eu só os mandarei a combate quando for absolutamente necessário, e vou lhes dar todo o equipamento e o apoio de que vocês precisarem para fazer seu trabalho”.

A expectativa de Obama sobre o futuro imediato do Iraque é também bastante diversa da que foi expressa por Bush em outros tempos. Na antiga administração, acreditava-se que os iraquianos se animassem à reconciliação enquanto as tropas americanas estivessem por lá; agora, Obama manifesta opinião exatamente oposta – a de que os iraquianos se sentirão mais à vontade para decidir seu destino sem o ocupante por perto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.