Palestinos cansados de guerra

Marcos Guterman

20 de abril de 2010 | 00h15

Começa a ganhar força, em Gaza, um movimento que defende a resistência pacífica a Israel, mostra a Economist. Considerando que lançar foguetes contra o território israelense causa danos somente do lado palestino, esse movimento prefere o esforço de enfrentar, desarmado, os atiradores israelenses bem perto da fronteira, em vez de apoiar a violência do Hamas. Alguns militantes saem feridos da aventura, mas o efeito midiático positivo é considerável, bem maior do que os desfiles militares dos fanáticos fundamentalistas islâmicos.

Para Walid Awad, o líder comunista que está à frente da iniciativa, o Hamas, que até agora tem ditado a estratégia de Gaza contra Israel, “não tem coragem de aceitar sua responsabilidade” pelos estragos que provoca e “trata os palestinos de Gaza como carneiros no matadouro”. Seu discurso contrasta com o habitual silêncio aterrorizado dos moradores de Gaza, que não ousam contrariar os “heróis” do Hamas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.