Os limites do chavismo

Marcos Guterman

27 de setembro de 2010 | 20h10

A oposição venezuelana corrigiu seu erro histórico de 2005, quando boicotou as eleições legislativas, e saiu-se bem das urnas na votação de anteontem. O bloco, que não é tão unido quanto parece, obteve cadeiras suficientes para tirar dos chavistas a possibilidade de aprovar emendas constitucionais sem negociar com ninguém. Diante disso, comprovaram-se os limites do chavismo em sua própria casa, mesmo com um processo eleitoral que incluiu mudanças legais para dar aos governistas mais cadeiras mesmo que tivessem menos votos. A dúvida, agora, é saber como Hugo Chávez reagirá a seu enfraquecimento – de resto previsível ante o desastre de sua administração de perfil cubano, que nem em Cuba funciona mais.

Em seu twitter, Chávez já avisou que os resultados da eleição o animam a “aprofundar a revolução”. É a senha para tentar manter unido o bloco governista, formado por todo tipo de oportunista ideológico que se abrigou sob as asas do “comandante” para usufruir das benesses da máfia corrupta instalada no Palácio Miraflores. Não é improvável que esses partidos, percebendo que a maré chavista pode virar até a eleição presidencial de 2012, abandonem o barco. Como a eleição de domingo mostrou, Chávez não é o líder invencível que se supunha. Pelo contrário: ele é um ditador desgastado por anos de promessas não cumpridas, de enfrentamento interno e externo e de destruição da economia do país. As rachaduras em sua base de poder podem acabar expondo divisões que se julgavam controladas.

Por enquanto, pelo menos publicamente, Chávez não dá sinais de que sentiu o golpe. Mas sua serenidade pós-eleitoral contrasta com seu habitual histrionismo em vitórias passadas, obtidas depois de enorme pressão da máquina chavista contra os limites da democracia.

Por essas razões, mesmo o governo brasileiro, tão leniente em relação aos desmandos do chavismo, reconheceu que foi “um avanço” o fato de Chávez “respeitar o resultado” das eleições, como disse Celso Amorim. E nosso chanceler se permitiu uma concessão que deveria servir tanto para os chavistas quanto para os simpatizantes do lulismo: “A oposição às vezes é muito incômoda. Mas é importante (que ela exista) para discutir e dialogar”.

Tudo o que sabemos sobre:

Hugo ChávezVenezuela

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.