OEA aceita Cuba. Mas qual Cuba?

Marcos Guterman

03 de junho de 2009 | 18h33

Os representantes dos países-membros da Organização dos Estados Americanos chegaram nesta quarta-feira a um acordo que cancela a suspensão de Cuba, decidida há 47 anos em razão de sua opção antidemocrática e de sua proximidade com a União Soviética.

O gesto, no entanto, está muito longe de significar que Cuba voltará à OEA. Segundo a resolução aprovada, “a participação de Cuba na OEA será resultado de um processo de diálogo iniciado a pedido do governo de Cuba e em conformidade com as práticas, os propósitos e os princípios da OEA”. Entre esses princípios está o respeito à democracia e aos direitos humanos.

Ou seja: a OEA até aceita Cuba de volta. Desde que não seja a Cuba atual.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.