Obama tem aquilo roxo

Marcos Guterman

05 de junho de 2012 | 17h46

Um ataque “cirúrgico” de drone matou no Paquistão o número dois da Al Qaeda, Abu Yahya al-Libi, informou o governo americano nesta terça-feira. Trata-se de um dos mais duros golpes que os EUA já assestaram contra a cúpula da organização terrorista utilizando sua frota de aviões não tripulados. É também mais uma prova de que o presidente Barack Obama não está para brincadeira.

Obama tem saído melhor que a encomenda. Na campanha eleitoral de 2008, os republicanos diziam que, se ele se tornasse presidente, os EUA seriam alvo fácil para os terroristas, já que o jovem senador de Illinois não tinha nenhuma experiência para lidar com as graves questões de segurança nacional. Pois bem. Sob a Presidência de Obama, os EUA estão mais determinados do que nunca em sua “guerra ao terror”. E consta que Obama reserva para si a decisão final sobre os assassinatos seletivos. Pode-se dizer que é ele quem puxa o gatilho, como mostrou recente reportagem do New York Times.

É interessante notar o “timing” do vazamento de informações detalhadas sobre as operações secretas com drones no Paquistão, em especial sobre como se comporta Obama, que surge desses relatos como líder implacável contra os inimigos dos EUA. No momento em que a intenção de voto no presidente balança, por causa da crise econômica, pode fazer muito bem a Obama posar de justiceiro com aquilo roxo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.