Obama e o resgate do "espírito americano"

Marcos Guterman

05 de novembro de 2008 | 02h02

A eleição de Barack Obama eletrizou o mundo, mas ainda não é possível saber exatamente a razão. Há uma espécie de prazer transcendental em saber que Bush partiu, e em vê-lo ser substituído por um sujeito que não é de seu partido, que é um novato na política, negro, liberal e jovem, uma antítese completa desses anos sombrios, repletos de um grave conservadorismo messiânico excludente. O terrorismo, mantra dessa administração desastrosa, que anulou todas as demais considerações, deixa de ter o sentido original de urgência e se dilui numa agenda ampla de preocupações, liderada sobretudo pelo aquecimento global e pela irresponsabilidade do mercado financeiro.

No entanto, por esse aspecto, Obama ainda não é história. Ele é apenas o fim, digamos, “dialético” de uma idéia de poder que desconsiderou a razão como vetor, substituindo-a pelo que Bush chamou de “clareza moral”, termo cuja ambiguidade estudada é ampla o bastante para justificar mentiras e engodos de toda sorte.

Por essa razão, sobre os ombros de Obama repousam expectativas que vão muito além dos fatos. Dele se espera que seja resgatado o “espírito americano”, o leitmotiv de milhões de pessoas que desde o século 18 ajudaram a transformar os EUA de um pântano num país admirável, que já foi modelo para o mundo. E isso num contexto de crise profunda, não só sob o aspecto econômico, mas de sua própria identidade.

Obama será história se, em seu governo, conseguir devolver os americanos a seus sonhos. Enquanto isso não acontecer, ele será apenas uma boa notícia – o que não é pouca coisa nessa triste América legada por Bush.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.