O xixi americano e o cinismo do Taleban

Marcos Guterman

12 de janeiro de 2012 | 18h39

Um vídeo colocado recentemente na internet mostra fuzileiros navais americanos urinando em cadáveres de afegãos. O governo dos EUA identificou pelo menos dois marines, reconheceu a autenticidade das imagens e as classificou como “repugnantes”. O degradante episódio ensejou o habitual cinismo do Taleban, para quem o vídeo prova o padrão de desrespeito das forças dos EUA em relação aos afegãos. “Isso não é uma ação humana. É uma ação selvagem, vergonhosa demais para que falemos dela”, disse um porta-voz do Taleban, o mesmo grupo que extirpou a humanidade dos afegãos, por meio de tortura, perseguição e assassinatos brutais, para transformá-los em zumbis religiosos.

O caso ocorre no momento em que o governo americano quer retomar o diálogo com o Taleban, como informou o Washington Post. Aliás, parece que a milícia fundamentalista islâmica, a despeito das bravatas, prefere conversar com a Casa Branca a falar com o presidente Hamid Karzai, que recentemente abandonou as negociações com o grupo. A aposta de Washington é que uma parte do Taleban está tão cansada da guerra quanto os EUA – cujo alto comando militar sabe que uma vitória no Afeganistão até 2014, prazo final da retirada das tropas ocidentais, é simplesmente impossível.

 

(Post atualizado com a informação de que o vídeo foi considerado autêntico pelo governo americano e que dois dos marines foram identificados.)