O real interesse do Brasil no Irã

Marcos Guterman

04 de junho de 2010 | 13h27

Por trás dos discursos do governo brasileiro em favor do “diálogo” e contra as sanções ao Irã, pode haver uma motivação simplesmente comercial. Gal Luft, do americano Institute for the Analysis of Global Security, diz na Foreign Policy que o Brasil está vivamente interessado em exportar etanol ao Irã; os iranianos, por sua vez, querem o combustível brasileiro para contornar seu problema crônico de falta de gasolina, alvo de sanções americanas.

Para Luft, a culpa dessa aproximação entre Brasil e Irã é dos EUA, cujo Congresso, atendendo ao lobby ruralista, impôs tarifas ao etanol brasileiro, jogando o país no colo dos iranianos.

Muito se fala também na hipótese de que o Brasil, na verdade, defende o projeto nuclear do Irã porque teria o inconfessável objetivo de também construir sua bomba atômica. A piada é tão boa que foi explorada até pelo programa humorístico israelense Latma, como dá para ver abaixo:

(Dica da Rafaela, leitora do blog)

Tudo o que sabemos sobre:

Irãpolítica externa brasileira

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: