O racismo como política de Estado

Marcos Guterman

01 de março de 2010 | 23h17

Acaba de entrar em vigor no miserável Zimbábue uma lei, patrocinada pelo ditador Robert Mugabe, que manda transferir o controle de empresas com patrimônio de pelo menos US$ 500 mil para negros zimbabuanos.

Segundo o Times, todas as companhias terão seis semanas para entregar formulários nos quais a raça de cada um dos sócios terá de ser detalhada. Se ficar comprovado que há mais brancos que negros, a empresa terá de ceder ações para os negros até que estes fiquem com 51%.

A campanha de Mugabe para destruir a economia do país não é nova. Há dez anos, o ditador, chamado de “guerreiro da liberdade” pelo colega venezuelano Hugo Chávez, introduziu uma lei que confiscou terras dos fazendeiros brancos e as transferiu aos negros, o que conturbou o setor agrícola e causou fome. Agora, com a lei para as empresas, economistas projetam uma interrupção dos cruciais investimentos estrangeiros no Zimbábue.

Mais conteúdo sobre:

Robert MugabeZimbábue