O lulo-malufismo e o colapso moral

Marcos Guterman

22 Junho 2012 | 18h00

Ainda há o que dizer sobre o histórico aperto de mão entre Lula e Maluf, mas, sobretudo, ainda há muito a dizer sobre a defesa que a vanguarda petista fez desse gesto. O argumento mais usado é que os tucanos também queriam a aliança com Maluf; logo, se o PSDB pode se rebaixar a esse ponto, por que o PT não poderia? Outro argumento é ainda mais impressionante: o afago em Maluf é algo “natural”, uma vez que o PP já está na base do governo de Dilma, e ademais faz parte da estratégia petista de “ampliar o arco de alianças” para ganhar o poder em São Paulo, de modo a implantar aqui o revolucionário projeto salvacionista de Lula.

Todo esse esforço retórico mal esconde o colapso moral da política brasileira, que se tornou definitivo com a rendição do PT, antes orgulhoso de sua retidão, à desmoralização das alianças ideológicas ou programáticas. Mas não foi apenas isso: o lulismo transformou aquilo que deveria ser exceção em regra, ao sugerir que o crime de corrupção, de que Maluf é símbolo máximo, é a norma no Brasil. Ora, estão a dizer os petistas, se todos são corruptos, por que o PT não pode abraçar o maior deles?

Trata-se de uma estratégia manjada. Ao se generalizar a culpa, chega-se à conclusão de que ninguém pode ser responsabilizado por nada, de modo que a corrupção se “naturaliza”, como se fosse um dado incontornável da realidade. Ao tentar convencer os brasileiros a aceitar o “mal menor”, isto é, a aliança com notórios corruptos, em nome de um projeto nacional, o lulismo quer abrir caminho para que se aceite o mal em si mesmo, em qualquer dimensão. Nesse cenário, Lula é o Líder que a todos redime – é ele que aperta a mão de Maluf, pessoalmente, sacrificando-se para que seus seguidores possam manter intacta a sua “higiene moral”. É ele, Lula, quem assume toda a responsabilidade pelo trabalho sujo da política.

Ao agir de acordo com sua consciência e abandonar a chapa lulo-malufista à Prefeitura de São Paulo, a deputada Luiza Erundina tentou recolocar as coisas em termos morais, renunciando ao “mal menor”, simplesmente porque não poderia conviver consigo mesma se aceitasse a companhia de Maluf. Ela lembrou que Maluf não poderia estar numa chapa da esquerda progressista porque ele representa todos os crimes que essa chapa deveria, por princípio, combater. Foi o bastante para que a deputada fosse considerada irresponsável pela tropa petista – isto é, à luz da narrativa histórica do lulismo, era Erundina que estava cometendo um crime, ao prejudicar a manutenção do projeto redentor de Lula. O mesmo se aplica à imprensa que expõe a roubalheira e é, por essa razão, tratada como “golpista”.

Sob o lulismo, a corrupção é considerada não só aceitável, como legal; inaceitável e ilegal é denunciá-la. Gente supostamente bem informada aceita alegremente esse postulado e empresta seu verniz intelectual para cristalizá-lo como verdade eterna, reduzindo os códigos morais a letra morta. É como se nada do que sabemos sobre o certo e o errado tivesse mais valor.

O “nunca antes”, portanto, não é uma piada. É precisamente a essência desse colapso ético, sustentado pela falácia de que a popularidade do Grande Eleitor a tudo justifica.