O jeito feminino de negociar

Marcos Guterman

12 de outubro de 2010 | 00h35

A ministra da Economia da França, Christine Lagarde, acredita que as mulheres tenham uma maneira, digamos, organicamente diferente de lidar com os problemas na esfera pública. “Acho que nós injetamos menos libido, menos testosterona na equação”, disse Lagarde em entrevista a Christiane Amanpour, da ACB.

Segundo a ministra, que aparece na lista da Forbes das 100 mulheres mais influentes do mundo, ser mulher ajuda na hora de negociar acordos. “Nós não projetamos nossos próprios egos, impondo pontos de vista e reduzindo as pessoas a perdedores. Eu honestamente acredito que a maioria das mulheres em posição de poder atua de modo diferente (dos homens).”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.