O ex-melhor amigo dos EUA

Marcos Guterman

08 de abril de 2010 | 20h41

Os americanos e seus sócios na Otan estão contando nos dedos os dias que faltam para retirar suas tropas do inferno afegão. Pudera. Em quase nove anos, o Taleban não só não foi derrotado como se assenhoreou de boa parte do Afeganistão e aparece com atuação importante também no Paquistão, outro aliado essencial do Ocidente. A Al Qaeda continua letal, embora sua base principal já não seja o Afeganistão. Ou seja: nada do que se apresenta pode ser traduzido como “vitória”. Em meio a esse cenário sombrio, a perspectiva da desmontagem do esforço de guerra, que desde o princípio incluiu impor e fortalecer um governo amistoso em Cabul, começa a minar decisivamente a relação entre esse governo e Washington – ao ponto de produzir uma espantosa sequência de rusgas entre a administração americana e o outrora “grande amigo” dos EUA, o presidente afegão, Hamid Karzai.

Karzai sabe que, quando a presença ocidental for apenas história, terá de lidar sem intermediários com as forças internas e externas que, em outras circunstâncias, já o teriam derrubado. Seu discurso atual, francamente hostil aos EUA, parece ser fruto da manjada estratégia de apelar ao antiamericanismo para obter força política. O presidente afegão chegou a sugerir que aderirá ao Taleban se o Ocidente continuar a pressioná-lo – ou seja, se o Ocidente continuar a cobrar de Karzai o fim da corrupção e exigir dele um compromisso mais decisivo com o esforço de guerra, o que inclui parar de criticar as forças da Otan pelos ataques que matam civis.

A bravata de Karzai traduz uma atmosfera de tensão crescente, tanto entre ele e os EUA quanto entre ele e os próprios afegãos. Karzai está usando a impopularidade americana para se legitimar, diante das evidências de que manipulou eleições e de que é incapaz de (ou interessado em) acabar com a corrupção endêmica no país. Do lado das relações diplomáticas, consta que as reuniões entre ele e os americanos normalmente acabam antes do previsto, de modo abrupto, com socos na mesa. O presidente americano, Barack Obama, dedica a Karzai uma frieza que não condiz com a importância estratégica do afegão – na última vez em que se viram, em Cabul, Obama lhe deu apenas alguns minutos de atenção, e somente para lembrar-lhe de suas obrigações com a coalizão militar que o sustenta.

Karzai, por outro lado, não parece nem um pouco interessado em melhorar o humor geral. Convidou o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, para uma visitinha e está flertando com a China. A líderes tribais, ele disse que seu governo não é “fantoche” dos EUA. Ocioso dizer que esses gestos – absolutamente calculados – enfureceram Washington.

Em meio à crise, ficou evidente a posição ambígua dos americanos: de um lado, sustentam que seu papel é levar a democracia ao Afeganistão; de outro, ainda aceitam como “parceiro” um líder que os desafia e que cada vez mais nega os seus mais caros princípios democráticos.

Tudo o que sabemos sobre:

AfeganistãoHamid Karzai

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.