Na Índia, mulheres se unem pelo direito de urinar

Marcos Guterman

14 de junho de 2012 | 18h11

Fila em banheiro público de Mumbai: eles não pagam

 

Mumbai, a maior cidade da Índia, tem cerca de 10 mil banheiros públicos. Em boa parte deles, os homens podem urinar de graça, mas as mulheres têm de pagar. Contra essa discriminação, um grupo de ativistas começou uma mobilização para que as indianas possam urinar de graça – e que tenham banheiros adequados às suas necessidades, já que a maioria deles é imunda.

“Cada vez mais mulheres trabalham fora de casa, mas a maioria evita ir aos banheiros devido à sujeira”, explicou a ativista Minus Gandhi, da ONG Apnalaya, segundo o jornal El Mundo. “Elas são obrigadas a segurar o dia inteiro, com todo o estresse que isso provoca, além do risco de infecções.” Trata-se de um “direito humano”, disse ela ao New York Times.

Na Índia, país celebrado como modelo por sua economia em crescimento, metade das casas não têm banheiro. Boa parte dos indianos faz suas necessidades no mato ou nas ruas – as mulheres o fazem em grupo, para evitar eventual assédio sexual.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.