Lula, o pacificador

Marcos Guterman

30 de dezembro de 2008 | 16h15

“Nós, do Brasil, vamos trabalhar junto a outros países para achar um jeito daquele povo parar de se matar.”

De Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, ao

Documento

  • comentar o conflito no Oriente Médio, esquecendo-se de que o país que ele preside tem uma taxa de homicídios dolosos de cerca de 30 por 100 mil habitantes, uma das mais altas do mundo. Para efeito de comparação, o índice de mortos em conflitos em Israel e nos territórios palestinos entre 2004 e 2007 não chega a 9 por 100 mil habitantes, conforme dados fresquinhos divulgados pela ONU, que podem ser lidos na íntegra aqui   PDF
. É o caso de perguntar: qual é o povo que precisa mesmo “parar de se matar”?