Homossexualidade está na cara

Marcos Guterman

11 de junho de 2012 | 10h00

Uma pesquisa publicada na revista científica PloS ONE mostra que é possível conhecer a orientação sexual de alguém observando apenas seu rosto.

Nos EUA, há até um termo coloquial para essa capacidade, “gaydar”, mas não havia prova científica de que, de fato, ela funciona. A experiência feita pelos psicólogos Joshua Tabak e Vivian Zayas, que mostraram fotos de homens e mulheres para os participantes, indica que eles conseguiram saber se alguém é gay ou heterossexual apenas com uma rápida olhada – rápida mesmo: menos de 1 segundo, tempo suficiente para que o observador soubesse simplesmente que se tratava do rosto de alguém.

Os pesquisadores retiraram das imagens quaisquer sinais que pudessem induzir conclusões: não havia brincos, piercings ou tatuagens.

A acurácia chegou a 60%. Os participantes erraram mais ao atribuir homossexualidade a homens heterossexuais, talvez porque, segundo os pesquisadores, qualquer leve traço feminino em homens leva à conclusão de que se trata de um gay. Ou seja: é mais difícil saber se um homem é homossexual do que uma mulher.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.