Gênio da Al Qaeda planeja esconder bomba em cachorro

Marcos Guterman

10 de maio de 2012 | 10h00

Ibrahim al-Asiri é hoje “a face do terrorismo mais temida pelas autoridades americanas”, na definição da rede de TV ABC. Ele é o sujeito que desenvolveu a “cueca-bomba”, protagonista da última tentativa de atentado da Al Qaeda contra os EUA. Também inventou uma bomba que foi escondida no ânus de um terrorista suicida em missão na Arábia Saudita. Segundo a ABC, Al-Asiri criou artefatos que podem ser escondidos em câmeras, computadores e até mesmo cachorros, de modo a escapar dos equipamentos de detecção.

“Ele é muito inovador e inteligente”, diz Seth Jones, ex-conselheiro do Comando de Operações Especiais dos EUA. Some-se a isso, segundo Jones, o fato de que Al-Asiri nutre “ódio absoluto” pelos americanos e pelos “valores ocidentais” e temos uma combinação, digamos, explosiva.

Os EUA têm tentado matar Al-Asiri no Iêmen com seus drones, os letais aviões não-tripulados. Para Jones, será inútil matá-lo, porque a Al Qaeda já mostrou que pode encontrar alguém para substituí-lo – talvez não tão brilhante, mas certamente com a mesma disposição para trucidar civis americanos inocentes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.