General americano: a culpa é dos gays

Marcos Guterman

23 de março de 2010 | 00h18

O general americano da reserva John Sheehan, ex-comandante da Otan, sugeriu que a presença de gays no Exército holandês foi decisiva para sua fraca atuação durante a Guerra da Bósnia (1992-1995). Era dos holandeses a responsabilidade por Srebrenica, local do massacre de muçulmanos por sérvios bósnios.

Na opinião de Sheehan, os países europeus abriram seus Exércitos a todo tipo de gente porque, com o fim da URSS, julgaram que não havia mais necessidade de ter uma força militar com poder de combate.

Mais conteúdo sobre:

Forças ArmadasHomossexualismo