Evo Morales rasga a fantasia

Marcos Guterman

26 de setembro de 2011 | 18h06

O governo de Evo Morales está reprimindo duramente protestos indígenas contra a construção de uma rodovia que atravessará uma reserva na Bolívia. Os opositores do projeto o chamam de “estrada do apocalipse”.

O financiamento da rodovia é brasileiro, acertado ainda no governo Lula, e a obra está a cargo da construtora brasileira OAS. Ou seja, o Brasil está envolvido até o pescoço na história.

O interessante no caso é o modo como se comportaram tanto Evo quanto o governo brasileiro, ambos declaradamente interessados na construção da cidadania indígena na Bolívia. O presidente boliviano mandou a polícia dispersar os manifestantes, indígenas como ele, em cenas que lembraram os piores momentos da Bolívia governada por e para os brancos. Acusou-os de estarem a serviço de ONGs estrangeiras e dos EUA. A ministra da Defesa boliviana, Cecilia Chacon, pediu demissão nesta segunda-feira por considerar injustificável a violência oficial. “Assim não! Concordamos com o povo que faríamos as coisas de outra maneira”, disse ela em sua nota de demissão. Já o Itamaraty limitou-se a lamentar os incidentes e a manifestar “confiança em que o governo boliviano e diferentes setores da sociedade boliviana continuarão a favorecer o diálogo”.

A despeito desse episódio, não é o caso de duvidar das intenções de Evo de levar adiante o formidável projeto de transformar a Bolívia num Estado em que a maioria indígena seja respeitada. No entanto, o episódio joga luz nas dificuldades em conciliar a retórica político-ideológica e a prática administrativa, sobretudo em países com abismo social tão acentuado.

Cabe ao Estado manter a ordem, e Evo parece saber disso. Mas o preço histórico que ele está pagando por reprimir os mesmos índios cuja dignidade jurou resgatar pode superar largamente os ganhos da “paz social” dos cassetetes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.