Diplomacia de Dilma: aos amigos, tudo; aos inimigos, a lei

Marcos Guterman

25 Junho 2012 | 17h20

O governo de Dilma Rousseff foi rápido em qualificar como “golpe” a deposição constitucional de Fernando Lugo da Presidência do Paraguai, mais rápido até do que o processo que levou à queda do ex-bispo. Em meio ao desencontro de informações, a presidente, sem saber exatamente o que havia ocorrido, já falava em sanções contra Assunção, invocando a cláusula democrática do Mercosul para o caso de ruptura institucional e negando-se a permitir que o novo presidente tivesse voz na Unasul. Com isso, seguiu a histeria dos parceiros “bolivarianos”, isto é, Venezuela, Equador e Bolívia, que retiraram seus embaixadores do Paraguai e não reconheceram o novo governo. O Brasil, ao menos nesse aspecto, limitou-se a chamar seu embaixador “para consultas”, o que é visto, no mundo diplomático, como uma censura. Mas tamanha pressa em punir o Paraguai, por uma situação ainda obscura, mostra que o Brasil realmente leva a sério o respeito à democracia como elemento central de sua agenda internacional, certo? Errado.

Tomemos como exemplo a questão síria. Vários países retiraram seus embaixadores de Damasco para demonstrar insatisfação com a crescente crueldade do regime ditatorial sírio na repressão aos dissidentes. O Brasil não. O Brasil decidiu manter seu embaixador lá sob alegação de que não poderia “fechar as portas ao diálogo”. No Paraguai, no entanto, o Itamaraty considerou adequado dificultar o contato diplomático num momento em que o diálogo com um parceiro de longa data, com empreendimentos conjuntos cruciais, como é o caso de Itaipu, era absolutamente necessário.

Outro exemplo relevante é Cuba. O Brasil defendeu o ingresso de Cuba na Organização dos Estados Americanos a despeito do fato de que a entidade, assim como o Mercosul, tem uma cláusula democrática. Mais do que isso: o então presidente Lula chegou a dizer que a OEA devia “desculpas” a Cuba por tê-la excluído. Ou seja: uma notória ditadura ganha apoio de Brasília para entrar num organismo multilateral, mas uma democracia – que, ademais, reitere-se, é parceira relevante do Brasil, diferentemente do desimportante regime cubano – é ameaçada de suspensão e de expulsão.

Não se espera que o Brasil tome a democracia como condição primária para escolher com quem deve fazer diplomacia; por outro lado, preterir democracias por causa de eventuais rupturas, enquanto mantém intactos os canais diplomáticos com ditadores, é pelo menos estranho.

É fato que o processo que resultou no impeachment de Lugo merece ser estudado, porque houve um insólito rito sumário para a destituição, mais próximo do que ocorre no parlamentarismo. Mas não é alinhando-se ao cinismo dos afilhados do chavismo – que criticam a suposta ruptura democrática no Paraguai enquanto são, eles mesmos, ameaças à democracia, ao concentrar poder e perseguir a imprensa – que o Brasil fará justiça a seu histórico de bons serviços prestados à diplomacia regional.