Crise nos EUA empurra homens para empregos “femininos”

Marcos Guterman

26 de maio de 2012 | 10h00

Basicamente, não há nada que uma mulher faça que um homem também não possa fazer. É esse raciocínio que está por trás de uma crescente tendência nos EUA – homens jovens que não conseguem arranjar emprego em áreas nas quais estavam habituados a atuar e acabam encontrando ocupação em tarefas majoritariamente femininas.

Ou seja: enquanto cada vez mais mulheres se especializam e obtêm espaço em profissões dominadas por homens, os homens admitem a possibilidade de fazer o trabalho “de mulheres”, coisa que “seus pais jamais considerariam fazer”, como diz o New York Times. São os chamados “pink collars” (colarinhos rosa, que trabalham no setor de serviços), em contraponto aos “white collars” (colarinhos brancos, ou trabalhadores de escritório) e “blue collars” (colarinhos azuis, ou operários), que são normalmente masculinos.

Miguel Alquicira, 21, é um dos casos citados pelo jornal. Sem diploma universitário e com a escassez de vagas na construção civil e na indústria, Alquicira fez um curso médico e conseguiu trabalho num consultório odontológico como assistente. No Texas, dobrou o número de homens registrados como enfermeiros. Fenômeno semelhante ocorreu entre professores primários, caixas de banco e recepcionistas, profissões em que as mulheres ainda são maioria.

Estudiosos mostram ainda que o perfil dos homens que buscam ocupações “femininas” também está mudando: antes, eram imigrantes, que não falavam inglês e com baixo nível educacional; agora, são homens de todas as raças e nacionalidades, com o equivalente ao ensino médio completo.

A tendência dos “pink collars” masculinos está diretamente vinculada ao clima de recessão nos EUA. Para os especialistas, assim que a situação mudar, os rapazes vão voltar a procurar trabalho em seu meio tradicional, porque, como lembra a economista Heather Boushey, os garotos não dizem que querem ser enfermeiros quando crescerem. No entanto, diz o Times, muitos rapazes “pink collars” afirmam que pretendem continuar com o trabalho “feminino” mesmo quando a economia voltar ao normal, porque se sentem mais satisfeitos agora.

E, afinal, mesmo em empregos tipicamente para mulheres, os homens ganham salários melhores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.