Como o Iraque está contando sua história

Marcos Guterman

30 de junho de 2010 | 00h07

Sete anos depois do início da guerra e com o fim dos 35 anos de ditadura de Saddam Hussein, os iraquianos estão às voltas com a difícil tarefa de definir sua história recente para ser ensinada às crianças.

Khazi Mutlaq, o funcionário do governo responsável por adequar o currículo escolar à luz da democracia, resumiu o problema ao New York Times: “Estamos tentando resolver os temas sensíveis. Por exemplo, os eventos de 2003 e a invasão. Alguns iraquianos a chamam de Operação Liberdade. Outros a chamam de ocupação. Desse modo, não abordaremos o assunto”.

Há ainda diferenças sectárias que dificultam a unificação curricular. Xiitas e sunitas divergem até no modo como os alunos devem rezar, como observou Mohammed al-Jawahri, do Ministério da Educação, que acrescentou: “Nossa sociedade até agora não teve uma educação que aceitasse esse tipo de diversidade de opinião”.

Tudo o que sabemos sobre:

Iraque

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: