Como Milton Friedman ‘salvou’ o Chile

Marcos Guterman

03 de março de 2010 | 01h54

O articulista Bret Stephens, do Wall Street Journal, diz que o Chile conseguiu enfrentar a tragédia do terremoto “em grande medida graças a Milton Friedman”.

Grande estrela da Escola de Chicago, o baluarte do liberalismo nos anos 70, Friedman foi conselheiro econômico do ditador Augusto Pinochet. Vários ex-alunos chilenos de Friedman, os “Chicago Boys”, ocuparam ministérios no regime chileno. Por causa disso, Friedman é até hoje acusado pela esquerda de ter sido cúmplice de Pinochet, embora o economista nunca tenha endossado as atrocidades do regime militar chileno.

O que Friedman fez, diz Stephens, foi ter revertido uma violenta crise econômica iniciada no governo “proto-chavista” de Salvador Allende, com inflação de 1.000% ao ano. Em 1975, dois anos após o golpe, Pinochet ouviu de Friedman que a receita era cortar gastos públicos, privatizar estatais e eliminar obstáculos à livre iniciativa. Quando Pinochet deixou o poder, em 1990, o PIB chileno havia crescido 40% e o país se tornara um dos mais ricos das Américas, com excepcionais indicadores sociais. Os sucessivos governos de centro-esquerda que sucederam a Pinochet mantiveram a política liberal desenhada por  Friedman, e a solidez da economia chilena teve efeito evidente na baixa letalidade de um terremoto que, em um país pobre, teria representado um desastre bíblico.

A esquerda, diz Stephens, gosta de dizer que a recuperação chilena pelo modelo de Friedman foi um “mito”. No entanto, escreve o articulista, “os chilenos de todas as classes devem ter uma opinião diferente sobre Friedman, que lhes deu as condições mínimas para sobreviver ao terremoto e, agora, para recomeçar suas vidas”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: