China, o novo alvo da Al Qaeda

Marcos Guterman

09 de outubro de 2009 | 00h15

Um dos principais líderes da Al Qaeda, Abu Yahya al-Libi, convocou a minoria uigur a deflagrar uma “guerra santa” contra o regime “opressor” da China. Segundo Al-Libi, “o Estado ateu está caminhando para sua queda”, a exemplo do que houve com a União Soviética.

A tentativa da Al Qaeda de levar à China sua luta pelo estabelecimento de um califado sunita mundial deve esbarrar, no entanto, na natureza do movimento dos uigures – muçulmanos que baseiam suas reivindicações não em termos religiosos, mas sim em nacionalismo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.