Carnaval nazista

Marcos Guterman

12 de fevereiro de 2010 | 00h07


Judeus retratados em “carro alegórico” nazista, em 1934

Os nazistas exploraram o Carnaval como uma forma de disseminar sua noção de “povo” e de nação. É o que mostra o livro “Carnaval no Terceiro Reich”, dos historiadores alemães Carl Dietmar e Marcus Leifeld. Os judeus, claro, eram alvos preferenciais.

A primeira coisa que os nazistas fizeram a respeito do Carnaval quando chegaram ao poder foi acabar com seu espírito crítico aos governantes. Assim, ficou proibido falar de Hitler nos desfiles – embora, em uma revista da época, o Führer tenha sido desenhado ao lado de uma dama carnavalesca.

Além disso, os desfiles do “Carnaval nazista” eram organizados como uma parada militar. E os homens eram proibidos de se vestir de mulher, porque isso lembrava o indesejável homossexualismo.