Blair: o inferno são os outros

Marcos Guterman

06 de setembro de 2009 | 10h21

O neo-católico militante Tony Blair, ex-premiê britânico, deu uma palestra em Rimini (Itália), num importante encontro católico, sobre os perigos do materialismo. Lá pelas tantas, ele discursou:

“Os limites ao individualismo são claros, em certo sentido. Basta contemplar a crise financeira para entender que a busca pelo máximo lucro no curto prazo, sem levar em conta o bem comum, é um erro, que não leva nem ao lucro nem ao bem. No entanto, num nível mais profundo, a argumentação contra a filosofia puramente individualista e materialista tem de ser feita. Os jovens de hoje têm acesso a tecnologia, a oportunidades, a experiências boas e ruins, numa escala nunca vista e que a geração de meu pai acharia fantástica, algo como ficção científica. O risco é claro: a busca do prazer se torna um fim em si mesmo”.

Um mês antes de ir a Rimini e tecer considerações sobre o materialismo e o hedonismo, Blair foi passear no inacreditável iate de US$ 200 milhões de seu amigão Larry Elison, CEO da Oracle. Afinal, ninguém é de ferro.


Blair é levado com todo o conforto, …


… com jeitão de playboy inglês, …


… para o iate Rising Sun, o sexto maior do mundo

Via Gideon Rachman

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.