Arábia Saudita põe as barbas de molho

Marcos Guterman

18 de fevereiro de 2011 | 17h32

A população muçulmana xiita na Arábia Saudita chega a 20% do total. Isso explica por que o governo saudita está acompanhando com apreensão a crise no Bahrein – em que os xiitas, majoritários, exigem da monarquia sunita mais direitos.

Além disso, os xiitas sauditas vivem próximos do Bahrein, numa região crítica para a economia do país: é lá que ficam os maiores campos da petrolífera saudita Aramco.

Não é por outro motivo que já se fala até em “reformas” na Arábia Saudita, porque, do contrário, “tudo pode acontecer” no país, segundo admitiu o príncipe Talal bin Abdul-Aziz Al Saud. O tamanho das concessões aos xiitas, porém, vai depender da intensidade da paranóia da realeza saudita em relação à influência do xiita Irã na região – para o rei Abdullah, é Teerã quem está por trás dos levantes.

Tudo o que sabemos sobre:

Arábia SauditaBahreinIrãsunitasxiitas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.