Amartya Sen defende o "velho capitalismo"

Marcos Guterman

11 de março de 2009 | 00h37

Diante da enormidade da crise econômica mundial, já houve quem dissesse que o capitalismo acabou, ou então que era preciso reinventá-lo. O indiano Amartya Sen, Prêmio Nobel de Economia que se notabilizou por suas idéias na luta contra a pobreza, sugere, no entanto, que a saída está num retorno ao velho capitalismo.

Por “velho capitalismo” Sen entende as concepções de Adam Smith, o pai do pensamento econômico moderno, que, curiosamente, nunca usou a palavra capitalismo. Smith não defendia a predominância absoluta do capital e do mercado, diz Sen, em artigo no Financial Times. Para ele, o mais importante eram os valores, como “humanidade, justiça, generosidade e espírito público”.

Smith dizia que aquilo que entendemos por capitalismo é impulsionado pelo interesse pessoal, que motiva o empreendedor a entrar no mercado. Mas é preciso que haja confiança mútua para que o mecanismo funcione. A questão, diz Sen, é que a confiança não é algo natural no mercado – muito parecido com a civilização em si, que, como diz Norbert Elias, deve ser defendida todos os dias da tentação da barbárie. A confiança é algo que se constrói, e é frágil num mercado agora tão entranhado de subdivisões, com seus derivativos e outros gêneros de investimentos complexos, objetos do desejo da busca desenfreada do lucro sem regulação estatal.

Sen afirma que reconstruir o mercado não passa necessariamente pela invenção do “novo capitalismo”, como querem alguns. Passa simplesmente, referindo-se a Adam Smith, pela “compreensão das velhas idéias acerca dos limites da economia de mercado”, e um bom começo é perceber que só a conjunção entre mercado e Estado poderá liquidar a crise e criar um “mundo econômico mais decente”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.