Ahmadinejad e a imprudência brasileira, agora em imagens

Marcos Guterman

24 de setembro de 2009 | 00h16

Como anunciado, o presidente Lula encontrou-se nesta quarta-feira em Nova York com seu colega iraniano, Mahmoud Ahmadinejad. Deu-lhe um caloroso aperto de mão e, em entrevista posterior, disse que “não é constrangimento nenhum” reunir-se com Ahmadinejad, que há alguns dias declarou que o Holocausto é uma “mentira”. Para Lula, o fato de o presidente iraniano negar o Holocausto “é problema dele” e “não compromete as relações com o Brasil”. Lula considera o Irã de Ahmadinejad, alvo de pesadas sanções comerciais e financeiras da comunidade internacional, um “grande sócio“.

Felizmente, outros governos não pensam como o de Lula. Durante o discurso de Ahmadinejad na ONU, representantes de vários países se retiraram em protesto. Entre os que manifestaram seu repúdio estava o delegado da Alemanha, justamente o país que arquitetou o Holocausto, a catástrofe humana cuja veracidade foi questionada de modo obsceno pelo iraniano.

É uma prova de que, mesmo em diplomacia, mesmo invocando-se interesses comerciais, há coisas que deveriam ser consideradas inaceitáveis.


Aqui, Lula cumprimenta Ahmadinejad, o “grande sócio” do Brasil

Dida Sampaio/Agência Estado


Aqui, o representante da Alemanha se retira durante o discurso de Ahmadinejad na ONU

Justin Lane/Efe


Aqui, Ahmadinejad destila seu ódio para um plenário vazio

Peter Foley/Efe

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.