Aborto agora é livre na Espanha, sob protestos

Marcos Guterman

05 Julho 2010 | 00h01

Para um país 95% católico, é uma notícia e tanto: começa a valer nesta segunda-feira uma nova lei na Espanha que permite às mulheres abortar até a 14ª semana de gestação sem a necessidade de dar motivos para isso. Entre a 14ª e a 22ª semana, o aborto será permitido sob o argumento de risco para a saúde física ou psíquica da mulher. Se o feto apresentar doença considerada incurável ou má f0rmação “incompatível com a vida”, o aborto poderá acontecer a qualquer tempo.

Associações de médicos e de deficientes vão entrar na Justiça contra essa diferenciação entre feto “são” e feto “doente”, que para eles é “juridicamente insustentável”, segundo o El País. Já o Partido Popular (direita) também pediu a suspensão da lei, sob o argumento de que atenta contra o princípio constitucional de “direito à vida”. Para o PP, o aborto só vira tema “quando os socialistas estão no governo”.

Mais conteúdo sobre:

AbortoEspanha