A Palestina ideal e a Palestina possível

Marcos Guterman

09 Setembro 2011 | 00h57

A decisão americana de vetar a admissão, neste momento, de um Estado palestino na ONU é daquelas feitas sob medida para serem lidas, pelos oportunistas de sempre, como prova de que os EUA são escravos do “lobby judaico”.

Mesmo à esquerda, porém, há reticência sobre a decisão palestina. O J Street, grupo judaico americano que apoia a causa palestina e é crítico do governo direitista de Israel, declarou-se contra o esforço palestino na ONU “no atual contexto”, porque ele não resolverá nenhuma das questões pendentes – paz, segurança e condições políticas e econômicas para um Estado palestino viável lado a lado com Israel. Isso tudo só será possível, acredita o J Street, por meio de uma solução negociada, por mais difícil ou remota que seja.