A curiosa relação trabalhista no Vaticano

Marcos Guterman

18 Maio 2010 | 00h12

O Vaticano está sendo co-responsabilizado num tribunal do Kentucky em processo nos quais bispos nos EUA são acusados de se omitir nos casos de abusos sexuais cometido por padres. Mas os advogados da Igreja já têm um argumento na ponta da língua: tecnicamente, os bispos não são empregados do Vaticano; logo, a Santa Sé não pode ser ré solidária. A relação entre as partes é apenas “religiosa”, e não “civil”, e a Igreja não controla a vida e as atividades dos bispos.

Segundo o Telegraph, o caso do Kentucky pode servir de referência para vários outros nos EUA.

Mais conteúdo sobre:

pedofiliaVaticano