Lula não é Bolsonaro invertido

Lula não é Bolsonaro invertido

São animais políticos distintos, mas estão obrigados a seguir os passos um do outro

Marco Aurélio Nogueira

18 de novembro de 2019 | 10h29

A decisão do STF sobre a presunção de inocência e a saída de Lula da prisão, vista como expressão de liberdade, um valor que em si mesmo mobiliza, alteraram a dinâmica política nacional. Por vários motivos, mas sobretudo porque envolve Lula, um ativo político e simbólico valioso. Sua circulação Brasil afora produzirá deslocamentos no alinhamento das forças que se opõem ao governo Bolsonaro e fará com que o bolsonarismo se reposicione.

Foram 580 dias preso. Nesse intervalo, o país mergulhou nas trevas e no extremismo retórico, ideológico. Peças mudaram de lugar. O Congresso Nacional encontrou novo eixo. A Lava Jato murchou. Sérgio Moro, antes visto como acima do bem e do mal, se converteu em um ministro de segunda linha. O bolsonarismo cresceu e impôs à sociedade outro padrão de radicalismo, recheado de agressividade, demagogia e ofensas.

Lula passou incólume por tudo isso. Poupou-se do confronto e acumulou forças. Saiu da prisão novinho em folha, como disse. Soube preservar-se e acrescentou uma camada a mais no próprio mito, com a incorporação da ideia de vítima e prisioneiro político.

Mas a vida seguiu e Lula, agora, terá de traduzir sua força simbólica em força política, recuperando e atualizando o território que ocupava antes, quando os “inimigos” eram tucanos e liberais. Terá de cauterizar as feridas que se abriram no próprio campo em que se situa. Remontar alianças. Conversar, operar nos bastidores, entrar no jogo político. Precisará assimilar novas teses e ideias, encontrar uma “narrativa” que dialogue com a sociedade e justifique as diversas acusações de corrupção que carrega nas costas. Ele sabe que precisa encontrar uma maneira de fazer autocrítica, se é que deseja mesmo posicionar o PT e sua biografia em outro patamar.

De que modo fará isso, não se sabe. Poderá fazê-lo de modo estreito ou ampliado, da boca para fora ou com sinceridade. Fechar-se na esquerda nacionalista ou enveredar pelo centro. Bater sem dó na tecla do desenvolvimentismo ou abraçar uma ideia mais avançada de ambientalismo e sustentatibilidade.

Não dá para concluir muita coisa de seus primeiros discursos após a saída de Curitiba. O tom e a forma, com as bravatas conhecidas, fazem parte da coreografia de um Lula abraçado por sua gente. Não fornecem um roteiro claro para o futuro. Mas acendem uma luz preocupante: será esse o Lula que pretende conduzir o Brasil a outra etapa? Movido a confrontos generalizados e a pregações salvacionistas?

É um exagero, por isso, dizer que Lula organizará a oposição ou que sua libertação representará o renascimento de um oposicionismo que restava adormecido desde o final das eleições de 2018. Se o personagem que saiu da prisão vier com sangue nos olhos, mascando ressentimento e desejo de vingança, nada de novo acontecerá. Será a mesma oposição de antes, com as mesmas narrativas que prevaleceram em 2018. Será difícil que dela surja algum sopro de renovação.

O Lula dos primeiros dias após a saída da prisão é o mesmo que deu um nó tático em seu próprio partido. O PT é uma usina de ideias e quadros, há nele uma disposição surda para ser uma “força nova”. Tudo isso, porém, resta paralisado pelo personalismo de Lula: um grito parado no ar. As correntes internas silenciam, não se manifestam, não surge uma voz que se erga para, no mínimo, fazer ponderações ao grande líder, que é “incriticável”, convertido em santo e tratado como suma sapiência.

Lula não é unanimidade entre os diferentes agrupamentos antibolsonaristas da sociedade. Se desejar a eles se somar e ajudar a organizá-los, terá de ceder em muitos pontos e abrir mão de um protagonismo que é tudo o que ele mais deseja agora e no qual se formou. Não dá para saber, de antemão, se estará disposto a dar essa guinada. E também não é possível dizer que encontrará receptividade incondicional fora do círculo mais definido do PT e dos movimentos que o orbitam. Será mesmo que a população o receberá de joelhos, de olhos fechados e braços abertos?

Uma boa mesa de negociações poderia contribuir para que se aparem arestas, mas as tratativas serão complexas e não há porque imaginar que as resistências recíprocas cederão com facilidade. Entre os eleitores liberais e mais ao centro, há muita rejeição a Lula e ao PT, o que complica entendimentos.

Mas Lula não é Bolsonaro de ponta-cabeça, invertido, como se um fosse a cópia transfigurada do outro. Cada qual com seu saraquá. São animais políticos distintos, com trajetórias e grandezas bem diferentes. Em que pesem seus tropeços, suas apostas equivocadas e seu personalismo demagógico, Lula tem uma dignidade que falta em seu antípoda típico-ideal. Algo que ele não parece querer aproveitar no momento.

Lula e Bolsonaro são subprodutos de uma polarização que escolheram encarnar. Seguem um script que, com o tempo, ficou maior do que eles e do qual não têm como escapar. É um roteiro que os domina e pode levá-los à radicalização insana. Opostos que se atraem.

Essa polarização estagnou, jaz estacionada no coração da política nacional. Embora Lula não seja Bolsonaro invertido, seus passos estão forçados a acompanhá-lo, e vice-versa. Um segue a trilha do outro, cegos para o restante do cenário. Tem sido assim desde 2018 e não há indícios de que os exércitos de um e outro se mostrem dispostos a depor as armas. Além do mais, caminham sobre um terreno minado, fragmentado e resistente ao diálogo. Há um clima social desejoso de resolução imediata, quando tudo demonstra que o passo-a-passo é o único caminho.

A contraposição tem ingredientes “lógicos”, mas as polarizações são mais amplas. Atravessam o campo político, incluem as guerras identitárias e culturais, os conflitos regionais. Não se tem somente Lula vs. Bolsonaro, ainda que isso possa ser dominante. O confronto está sobredeterminado por outros choques ou divergências que, bem calibradas as lentes, formam a parte substantiva do jogo: a polarização lulismo vs. bolsonarismo funciona como trilha sonora.

No tabuleiro nacional os jogadores tratam de decidir quais e como serão feitas as reformas da economia, da gestão, do trabalho, das políticas sociais. Isso significa que o centro do problema está na reorganização do pacto social que tem prevalecido na marcha do capitalismo brasileiro. É algo que não se conseguirá só com a definição de quem estará do Palácio do Planalto.

Lulistas vs. bolsonaristas pesam, mas sozinhos não têm o poder de definir ou alterar o rumo dos acontecimentos. Se atingirem o paroxismo, têm potencial para se destruírem reciprocamente. Outros “polos” existem entre eles. Alguns já são fortes, outros ainda podem se fortalecer.

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.