Eduardo Cunha, o relator e a Fortuna de Maquiavel

Marco Aurélio Nogueira

08 de novembro de 2015 | 19h55

Emocionante o destino que a Fortuna parece estar reservando ao deputado Fausto Pinato (PRB-SP).

Escolhido relator do processo por quebra de decoro contra Eduardo Cunha, no Conselho de Ética, logo no início de seu primeiro mandato parlamentar, o deputado flutua, no momento, entre o céu e o inferno. Tem uma chance extraordinária, dessas que raramente aparecem, de entrar em sintonia com as ruas, a parte saudável do Congresso Nacional e a opinião democrática, que pedem a cassação de Cunha. Se assim fizer, consolidará uma posição de liderança e tenderá a ser uma referência no Congresso.

Mas o deputado já está a sofrer pressões pesadas — dos aliados de Cunha, do governo, de seu próprio partido — e terá posta à prova sua autoproclamada condição de “independente”, condição esta que hoje é vista como sendo mais propensa a funcionar como linha auxiliar de Cunha. Conforme estas pressões se manifestarem e conforme for sua capacidade de resistir a elas, Pinato traçará sua rota.

O fato de ser estreante pode ajudá-lo a se sair bem da missão ingrata. Não é conhecido, tem poucos relacionamentos, pode ficar menos sujeito aos holofotes e, acima de tudo, contará com o fator surpresa, dado que, a rigor, nunca foi efetivamente testado e ninguém sabe como pensa e age.

Está com a faca e o queijo na mão.

Depois que Eduardo Cunha disse que não tem contas na Suíça, mas sim “trustes”, dos quais seria um “beneficiário em vida”, a lista de crimes pelos quais deve ser cassado e preso aumentou. Agora, não se trata somente de falta de decoro, mas também de agressão à inteligência alheia, enriquecimento ilícito, desfaçatez e prepotência.

Maquiavel converteu a dialética Virtú e Fortuna num dos principais eixos de sua teoria da política. Projetos de poder precisam saber levar na justa conta tal dialética. A deusa Fortuna, por um lado, é caprichosa, imponderável, dá e tira sem aviso prévio. Precisamente por isso, deve ser confrontada para poder ser controlada. A sensibilidade política (Virtù) capacita o ator para tornar vitoriosa uma estratégia política, na medida mesma em que o faz portador do poder de controlar as circunstâncias e as oportunidade abertas pela Fortuna. Desprovido desta sensibilidade, o ator torna-se dependente dos desígnios da Fortuna e não tem como dialogar com ela. No fundamental, trata-se de saber em que medida um ator político sabe se mover conforme as mudanças da situação, as condições objetivas, a dinâmica política e os humores sociais.  Como se diz hoje, vencem os que têm maior capacidade de “ler” a realidade, decifrando seus enigmas e as possibilidades que oferece.

Está no texto de Maquiavel: “o sucesso ou o insucesso dos homens depende da maneira como acomodam suas condutas aos tempos”. A Virtù não concede aos atores poderes ilimitados, mas os ajuda a serem conscientes de suas limitações, com o que podem resistir aos desígnios da Fortuna. Em O príncipe, o florentino observou que pode ser verdade “que a Fortuna seja árbitra de metade de nossas ações, mas, ainda assim, ela nos deixa governar quase a outra metade”.

Pinato poderá mostrar Virtù e crescer, ou desperdiçar a oportunidade que lhe concedeu a Fortuna e desaparecer, engolido pelas enxurradas que costumam arrastar os inexpressivos para as profundezas dos bastidores.

Quanto a Cunha, se antes a Fortuna o contemplou seguidamente, agora parece lhe faltar. Vive uma situação dramaticamente adversa. Para a qual talvez não sejam suficientes os recursos de Virtù que acumulou ao longo do tempo.

Evidentemente, Pinato não é o único a ter nas mãos o destino do presidente da Câmara. Poderá aceitar a denúncia, abrir o processo e ao final a maioria salvar Cunha. Mas, como relator, será um protagonista diferenciado. Que poderá inflar ou murchar.

As cartas serão jogadas nos próximos dias.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.