Carimbo intrigante

Setores do PT querem Marta Suplicy na chapa para as eleições de 2020, mas a ideia está longe de ser simples

Marco Aurélio Nogueira

22 de novembro de 2019 | 17h08

Carimbar é desses verbos marotos, com vários sentidos. Pode significar “aprovar” e “marcar”, mas também “assinalar” e “dar visibilidade”. Uma pessoa marcada é alguém estigmatizado, convertido em alvo. Uma figurinha carimbada tem maior valor e é objeto de desejo.

Por esses dias circula a informação de que o PT – leia-se, Lula – cogita incluir Marta Suplicy na chapa do partido às eleições municipais de 2020. A ex-prefeita paulistana está sendo carimbada.

A justificativa seria dupla. Marta teria sido “a melhor prefeita de São Paulo” (Lula) e está disposta a “trabalhar por uma frente para enfrentar a extrema direita” (Jilmar Tatto). A primeira razão é subjetiva, ainda que se deva considerar que Marta de fato foi uma governante que realizou ações importantes para a cidade e especialmente para a população da periferia. A segunda razão é factual.

Mas a questão está longe de ser simples. Não foi por acaso que Gleisi Hoffmann, presidente nacional da legenda, se apressou em dizer que Marta poderia “compor a chapa do partido”, mas que entre ela e o PT “não dá muita liga”.

Dadas as altas taxas de rejeição de que o PT desfruta em São Paulo, a chapa por ele projetada, com Marta na cabeça ou não, terá de dar nó em pingo d’água para vencer.

Ao mencionarem o nome da ex-prefeita, os setores petistas tentam passar a ideia de que o PT disputará as eleições em um esquema de alianças ampliadas. Isso, porém, contradiz o que Lula tem proposto, qual seja, de que o partido deve encabeçar as chapas para “fazer a defesa da legenda, de seus dirigentes e do legado dos governos petistas”.

Marta Suplicy militou no partido, dele se afastou e passou a criticá-lo com atos e palavras (votou a favor do impeachment de Dilma, por exemplo). É intrigante o que ela faria num empreendimento político que se desenha como repleto de dissonância e sem base de sustentação bem definida.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.