Senador Armando Monteiro deve assumir Desenvolvimento, Indústria e Comércio

Ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), senador teve apoio do PT na disputa fracassada pelo governo de Pernambuco

Marcelo de Moraes

21 de novembro de 2014 | 15h24

Derrotado na disputa pelo governo de Pernambuco, o senador Armando Monteiro (PTB-PE) deverá ser o próximo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Ele se reuniu nessa sexta-feira com a presidente Dilma Rousseff para acertar sua entrada no governo na pasta que foi comandada pelo governador eleito de Minas Gerais, Fernando Pimentel, e está sendo ocupada atualmente por Mauro Borges.

Ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Monteiro ajuda a somar credbilidade ao governo de Dilma. Ligado diretamente ao setor produtivo, ele poderá ajudar a presidente a melhorar seu relacionamento com o empresariado e tentar melhorar a condução da política econômica. Com números medíocres, a economia do País patinou em 2014 e Dilma sabe que é crucial garantir algum tipo de crescimento no próximo ano.

Na última eleição, Armando Monteiro deixou clara sua afinidade com o governo federal ao ser escolhido como candidato ao governo pernambucano, pelo PTB, com apoio do PT nacional e local. Tanto Dilma como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participaram diretamente de sua campanha. Apesar disso, foi derrotado por Paulo Câmara (PSB), candidato escolhido pelo falecido governador Eduardo Campos e que teve a seu favor todo o apelo emocional provocado pela morte do ex-candidato à Presidência.

Agora, à frente da pasta, Armando pode trazer o peso empresarial para dentro do governo. Esse é justamente hoje uma das principais áreas de resistência à administração petista.

Além disso, colabora na atração de parlamentares do PTB de volta para a base governista, já que o partido acabou apoiando formalmente a campanha do senador Aécio Neves (PSDB) ao Planalto. A ideia é contar com o apoio dos parlamentares petebistas, mesmo que a direção nacional siga afastada do governo.

 

Tendências: