No Maranhão, clã Sarney troca candidato “poste” e deve lançar filho de ministro ao governo

Marcelo de Moraes

09 de abril de 2014 | 11h53

Depois de passar os últimos três meses tentando fazer o secretário estadual de Infra-estrutura, Luís Fernando Silva, decolar como candidato à sucessão da governadora do Maranhão, Roseana Sarney, o clã Sarney foi obrigado a refazer toda sua estratégia. Mesmo depois de se desincompatibilizar do cargo, Luís Fernando, o “poste” escolhido pelo grupo político para concorrer ao governo, não será mais o candidato. A ideia agora é lançar o senador Édison Lobão Filho (PMDB), filho do ministro das Minas e Energia, Édison Lobão (PMDB), na corrida pelo governo.

A tarefa do senador não é das mais fáceis. O grupo da governadora Roseana enfrenta enorme desgaste político no Estado e tem um duro oponente pela frente, o ex-presidente da Embratur Flávio Dino (PCdoB). Além disso, o clã Sarney tem enfrentado resistências dentro do governo federal para garantir apoio para manter sua hegemonia. Embora ninguém confirme oficialmente, Palácio do Planalto e o PT nacional preferiam apoiar exclusivamente a campanha de Dino, cujo partido também integra a base de sustentação da presidente Dilma Rousseff. Para não desagradar o senador José Sarney (PMDB-AP), líder político do clã, o governo sinaliza com apoio (ou pelo menos neutralidade) para ambos.

A desistência de Luís Fernando teria acontecido depois que Roseana desistiu de disputar o Senado, preferindo completar seu mandato à frente do governo. O ex-secretário teria achado muito difícil enfrentar a campanha majoritária sem ter Roseana Sarney como candidata ao Senado, o que poderia alavancar seu nome.

Com a mudança de planos, se for confirmada, a candidatura de Lobão Filho complica para o Planalto a forma de tratar a campanha do Maranhão. Filho de um dos ministros mais próximos de Dilma, será difícil para o governo não participar diretamente de sua campanha, o que empurraria Flávio Dino para os braços da oposição nacional. Por coincidência ou não, PSDB e PSB locais deverão estar no palanque do candidato do PC do B.