Um olho na crise, outro no futuro

Humberto Dantas

20 de maio de 2020 | 16h48

*Texto escrito por Marina Cano, sócia da Legisla Brasil, uma sociedade sem fins lucrativos que acredita no poder das pessoas em transformar a política.

Viver a maior crise sanitária mundial da nossa época e, em paralelo, uma crise política-institucional não é tarefa fácil. O olhar para esta situação não deve parar no reconhecimento do tamanho desafio, ou no conformismo de “pelo menos já sabíamos que o Brasil não é para principiantes”. Por isso, faço aqui um convite para pensarmos juntos o Brasil. Vem comigo?

A pandemia do coronavírus trouxe a tona muitas incertezas para os brasileiros: “em qual informação devo confiar?”; “qual definição política devo seguir?”; ou ainda “qual eu acredito ser o papel do governo para conter essa crise?”. Essa última, tenho que confessar, abalou estruturas. Quem aqui não escutou um liberal pedir mais intervenção do governo ou estadistas abordando economia e saúde como uma questão dicotômica, que atire a primeira pedra.

Dentre todas as incertezas, surge um respiro: a sociedade civil brasileira se engajou e conseguiu chegar em lugares nos quais faltou ação política, assim como visto em outros países. Isso é memorável. Mas e a relação da sociedade com o Estado? Com o governo? Com os políticos que tem o poder da caneta na mão? O que ficou claro é que precisamos de representantes que analisem dados e, a partir deles, tomem decisões políticas. Ok, mas isso é o mesmo que pedir o mínimo.

O que mais levamos de certezas? Levamos que não temos heróis que vão nos salvar desta crise e nos levar rumo ao desenvolvimento. Levamos que precisamos estar mais atentos àqueles que têm a política em suas mãos – afinal, vimos que mesmo sem lideranças ideais temos equipes que têm feito a máquina seguir rodando. Levamos que precisamos urgentemente de um projeto de futuro de país e não de poder. Levamos, enfim, que nossa democracia é frágil e devemos zelar ao máximo pelas nossas instituições.

O olhar sobre a crise traz ainda mais aprendizados para conseguirmos construir o futuro desde agora. E não vejo lugar mais claro para fazer isso que o Poder Legislativo: o coração da nossa democracia. Este é o espaço no qual as principais decisões que vão regulamentar os rumos da nossa sociedade serão tomadas e onde a diversidade da nossa sociedade deve ser representada. É o espaço também da construção das leis que nos dão segurança no momento em que “estamos à deriva”.

A política é o espaço para construir o futuro que queremos e ainda não vingamos nessa empreitada. Quantas vezes você já escutou que somos o país do futuro? Não podemos mais postergar o futuro do Brasil.

Como minha aposta é na política, os primeiros passos que devemos dar desde já são: acompanhar, participar e cobrar os legisladores que elegemos – me diz uma coisa, você se lembra em quem votou nas últimas eleições? -; garantir que as próximas eleições vão respeitar o ciclo eleitoral e as condições sanitárias necessárias; e fomentar organizações da sociedade civil que têm trabalhado para fortalecer a política seja qualificando equipes, seja educando cidadãos, ou até elegendo novos corpos.

E você? Como tem pensado hoje o futuro do Brasil?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.