Um Legis-Ativo mais plural, como deveria ser desde o início

Humberto Dantas

08 de maio de 2017 | 22h29

Estamos com quase dois anos de trabalho e cerca de 200 textos publicados. Alguns superaram pouco mais de alguns milhões de visualizações, algo que não esperávamos nem em nossas mais otimistas interpretações do que poderia ser esse blog. O grupo, inicialmente formado por onze cientistas políticos, perdeu um integrante que se dedica à extenuante rotina do doutorado nos Estados Unidos – Patrick Silva. O agradecemos demais, não só por seu empenho e qualidade dos temas trazidos, mas por indicar para seu lugar a cientista política Joyce Luz. De maneira infame, e me desculpando pelo uso de seu sobrenome, foi ela quem nos iluminou para uma ocorrência grave em nossa rede de profissionais. Faltavam pesquisadoras, mulheres em nosso time.

O motivo desse texto é muito simples. A partir desta semana inauguramos uma nova fase do Legis-Ativo. Ao todo estaremos em 16 cientistas políticos, com a inclusão de cinco pesquisadoras, além da permanência de Joyce. São elas: Ana Paula Massonetto, doutora em Administração Pública e Governo pela FGV; Marina Merlo, mestranda em Ciência Política pela USP; Marta Mendes da Rocha, doutora em Ciência Política pela UFMG; Michelle Fernandez, doutora em Ciência Política pela Universidade de Salamanca; e Mônica Sodré, doutora em Relações Internacionais pela USP, com mestrado em Ciência Política pela Federal de São Carlos.

Um time que mescla cabeças situadas em diferentes estados do país, fases distintas de vida, instituições plurais em matéria de formação, áreas de atuação profissional diversificada e uma série de capacidades e olhares complementares. Os textos continuam aceitando parceiros externos, sempre acompanhados por alguém do grupo, sobretudo porque essa fórmula nos rendeu análises muito consistentes.

Para terminar, nosso compromisso maior: textos não muito longos, análises equilibradas e pontos de vista pouco apaixonados de um poder que precisa urgentemente ser compreendido pelo brasileiro como o alicerce maior de nossa democracia representativa. O Legislativo continua em pauta, segue sendo nossa única temática, ou seja: o elo que une os textos, a despeito do caráter municipal, estadual, federal, ou até mesmo internacional, das abordagens. Agradecemos a todos que estiveram conosco até aqui e nos comprometemos a seguir nessa caminhada. Avança!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.