Um acadêmico dedicado aos alunos

Um acadêmico dedicado aos alunos

Graziella Testa

23 de abril de 2020 | 18h55

*Nota de pesar pelo falecimento do Prof. Terrie Groth.

**Por Professora Lucia Avelar

Norte-americano por nascimento, latino-americanista desde sua graduação em História na Universidad de las Américas no México, abraçou a questão democrática brasileira em sua tese de doutorado defendida na Universidade da Califórnia, Riverside, em 1986. Sob o título “Estado, Classe e Crise no Brasil, 1974-1982, desde então, elaborou pesquisas sobre o tema da democracia. No Brasil, trabalhou no Departamento de Ciência Política da Universidade Federal de São Carlos, e em 1996 foi para o Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília. Ele nos deixou em 21 de abril de 2020.

Acreditava que a participação cívica dos cidadãos e a educação política seriam os caminhos possíveis para a democracia, e a partir desta convicção é que foi o autor e o coordenador de um projeto de extensão universitária ímpar, que marcaria a formação dos seus jovens alunos universitários da ciência política desde 2005: o Projeto “Política na Escola” que consistia em formar multiplicadores nas escolas públicas de ensino médio por meio da atuação dos alunos de graduação. Com isto os graduandos elaboravam em linguagem acessível os conceitos de participação política, poder, estado e governo, representação política e democracia.

Alçando seus alunos ao protagonismo em salas de aula, mostrava uma de suas principais características: o de promover os outros antes dele mesmo. Ainda que com muitas dificuldades para a continuidade e expansão, além de financiamentos intermitentes do Ministério da Educação e do Decanato de Extensão da Universidade de Brasília, o projeto se consolidou e levou a um diferencial sensível na formação dos graduandos.

Dentre as muitas lidas universitárias, cargos administrativos, em 2010 firmou um convênio junto a CAPES-MINCyT e a Universidad General Sarmiento/Argentina, por meio do Ministério da Educação daquele país, uma universidade comunitária, com alunos de baixa renda e que levou a um programa de política comparada entre os dois países. Seu currículo é extenso, mas aqui deixo uma nota pessoal sabendo de que é um sentimento de muitos dos seus colegas: o Prof. Terrie sabia ser amigo, incentivador, companheiro, e, sobretudo, minimizar as vaidades próprias do nosso meio.

Obrigada Terrie. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.