Pra quem perdeu fé na política: um respiro

Humberto Dantas

07 de outubro de 2020 | 17h42

*Texto escrito por Marina Cano, sócia da Legisla Brasil e Ana Garcia, responsável por mobilização*

Caro leitor, hoje te convidamos aqui para respirar. “Ué? Mas falar de política em pleno lançamento de campanha eleitoral, com tamanha polarização, com um novo normal que deixa ainda mais difícil prevermos os resultados e vocês vem falar de alívio?” Pois sim.

Na última semana, tivemos o lançamento da corrida eleitoral. E nesse mundo onde muitos só conseguem ver o espaço dos egos, da disputa por poder, ou até do desespero para manter a “vaguinha de emprego” vimos muita coisa acontecer. Afinal, tudo na vida é questão de perspectiva. Da nossa parte, vimos florescer muito da Rede Legisla Brasil, em seu Encontro Nacional.

A Rede é um grupo orgânico, que une os mais de 90 assessores(as) parlamentares, diversos, vinculados a gabinetes que trabalharam com a Legisla Brasil e são comprometidos com a inovação de práticas na política. Os integrantes estão distribuídos em 28 gabinetes de diferentes cantos do Brasil e campos políticos. O Encontro reuniu, portanto, equipes parlamentares de todos os níveis federativos, com senioridades e especialidades distintas.

E vocês podem até se perguntar, mas com tanta gente diferente junto o que afinal aconteceu?  Todos os momentos do Encontro tiveram formato cooperativo, para que os integrantes da Rede se conectassem e aprendessem junto com os convidados. Convidados esses que variaram de profissionais que já tiveram experiências semelhantes e hoje caminham na Acadêmia, como os cientistas daqui do Legis-Ativo; profissionais que enfrentam desafios parecidos em países vizinhos; e teve até a Gabriela Prioli, para falar sobre comunicação política nas redes sociais.

E teve mais. O grupo colocou no ar um Manifesto Coletivo, que formaliza as intenções futuras dessa Rede. Tem algo potente na política que diz respeito à coletividade. E dizemos mais. Quem trabalha sério na política sabe que é assim: só aquilo que é coletivo avança. Nenhum projeto político se move sozinho. Este projeto em questão, o Manifesto, é um projeto neutro, que tem espaço para a direita, a esquerda e também o centro; mas é um projeto que traz visibilidade para um coletivo que muitas vezes fica invisível no bastidor.

Gabriel Azevedo, assessor parlamentar de conteúdo, conseguiu figurar o senso de coletividade em uma persona, uma “única figura: a equipe parlamentar”. Ainda, contando com grandes contribuições de Rodrigo Wagner, assessor legislativo, o grupo conseguiu clarear o que buscam no futuro: “O nosso horizonte é um legislativo mais capacitado para enfrentar os desafios contemporâneos, através de equipes diversas e abertas ao diálogo dentro e fora do parlamento (..).” Um futuro que observa, sobretudo, a pluralidade de ideias “desde que dentro do campo democrático”, como reforçou Isabela Messias.

Arriscamos dizer que a política quase que fica na mão desses profissionais. E, por isso também, são as peças-chaves da nossa democracia. Essas peças tem feito uma grande diferença para dar sustentação às nossas instituições. E, para quem conhece o jogo político, isso não é inédito. Inédito é reconhecermos, valorizarmos cada uma das peças do quebra cabeça. Isso tem que ser notado e Manifestado.

Por isso leitor, te pergunto agora, continua sem fé na política? Espero que o respiro tenha vindo. E ele é só o começo.

 

*A Legisla Brasil é uma sociedade sem fins lucrativos que acredita no poder das equipes para transformar a política.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: