Por dentro do nosso “NOVO” Legislativo Federal

Por dentro do nosso “NOVO” Legislativo Federal

Joyce Luz

01 Novembro 2018 | 14h30

*Todos os dados foram extraídos do TSE

As eleições desse ano para o Legislativo Federal não deixaram dúvida entre a opinião pública: o desejo por renovação, por novos políticos, por novas lideranças era evidente! Mas será que tal desejo se cumpriu efetivamente? No texto de hoje eu convido você, caro leitor, a conhecer mais sobre quem são os nossos novos representantes, as novas caras da Câmara dos Deputados.

Vamos começar pela conta básica: 513 parlamentares foram eleitos no primeiro domingo de outubro. Desse total, 272 vagas, ou seja, 53% das cadeiras, foram preenchidas por políticos que não foram reeleitos! Mas quem são esses “novos” políticos? Começo pela distribuição desses atores políticos com base no gênero.

De acordo com o gráfico acima, dentre os 272 novos parlamentares eleitos, apenas 17% são do gênero feminino, enquanto 83% são do gênero masculino. A discrepância na distribuição desses parlamentares também chama a atenção quando analisamos a Raça/Cor desses políticos. Como o gráfico abaixo mostra, dentre os 272 parlamentares, 73% são brancos, 22% são pardos, 4% são pretos e menos de 1% são indígenas e amarelos.

No quesito idade, o “novo” não aparece representado pela juventude. Somente 22% dos 272 novos parlamentares têm entre 20 e 25 anos. A maioria dos novos parlamentares, 58%, possuem entre 36 e 55 anos. Apenas 21% dos novos parlamentares possuem entre 56 e 55 anos e 4% mais do que 66 anos.

O dado que mais chama a atenção, no entanto, é quanto a escolaridade desses novos atores políticos. Dentre os 272 novos políticos, 76% deles possuem ensino superior completo e 8% incompleto. 11% possuem ensino médio completo e apenas 4% enquadram-se na categoria de ensino fundamental (completo e incompleto).

Analisando esses dados por unidades federativas temos que dos 26 estados brasileiros mais o Distrito Federal, 21 deles tiveram uma taxa de renovação superior a 50%, ou seja, renovaram mais da metade de seus deputados eleitos em 2014. Somente 6 estados (São Paulo, Alagoas, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul e Bahia) obtiveram uma taxa de renovação inferior a 50%.

Por fim, dentre os 30 partidos que estarão representados a partir de 2019 na Câmara dos Deputados, o PSL é o partido que mais carrega consigo esses novos políticos. Dos 272 novos deputados, 18% pertencem ao PSL, 7% cada ao PRB, ao PT e ao PSB, 6% ao PDT e 5% cada ao PP, ao PSD e ao PSDB.

Agora cabe, a nós eleitores, acompanharmos se esses “novos” políticos de fato serão representantes da renovação política que a sociedade brasileira tanto deseja. Em quantidade, já sabemos que eles são novos, agora resta acompanhar quais novas ideias e trabalho cada um desses 272 parlamentares carrega consigo. Em 2019, caros leitores, olho aberto! A quantidade para a mudança nós já temos, basta verificar se e como ela acontecerá.